segunda-feira, 30 de maio de 2016

POEMA PARA O POVO BRASILEIRO






Há muito tempo desafino no coro dos contentes  
Ando de peito aberto pela contramão 
Meus pesadelos são os sonhos de homens inúteis  
E meus sonhos são impublicáveis   


Há muito tempo minha televisão é global e não presta  
Jornais e rádios da mal dita Grande Imprensa  
Transformam o Povo em ninguém e o Brasil em um país de merda  
A Ordem é uma mentira burocrática  
E o Progresso só pertence a 1% da população brasileira    


Mas cantamos sem contar com outras vozes 
Caminhamos sobre todos os atropelos e desastres 
Pesadelos não nos assustam 
Os nossos sonhos são publicados todos os dias na Internet  
Para corações e mentes de todo mundo 
Criamos outras telas e nossas notícias são vivas de Esperança  
O Povo existe e diz SIM 
Ao País que amamos em seu Futuro de Grandeza  
E mesmo  que burocratas políticos semvergonha e entreguistas vendidos  
Corrompam por um punhado de dólares e sujem e rasguem as bandeiras da nossa Pátria  
Erguemos nossos fachos de luz contra a Escuridão o Medo e a Miséria  
Que a Democracia Brasileira vencerá !  

  

JUAREIZ CORREYA
(Recife / Boa Vista, 30 de maio/2016)

sábado, 21 de maio de 2016

GERAÇÃO 65, JACI BEZERRA E A "EDIÇÕES PIRATA" QUE VAI COMPLETAR 40 ANOS ! (2)






Juareiz Correya e Jaci Bezerra 
(em um bar do Derby, Recife, 2004).
Foto de João Guarani   



    Empreendido por iniciativa dos poetas Jaci Bezerra e Alberto da Cunha Melo, o projeto editorial alternativo da "Edições Pirata" contou, inicialmente, com uma equipe de primeira grandeza : "Eugênia Menezes, Maria do Carmo Oliveira, Nilza Lisboa, Andréa Mota Silveira, Myriam Brindeiro, Amarino Martins de Oliveira, Ednaldo Gomes de Melo, Jadson de Lima Bezerra, Vernaide Wanderley, Alberto Vasconcelos, Moacyr Sena Dantas, Josenildo Freire, Celina de Holanda, Daniele Perin, além de piratas-eventuais, é a equipe que trabalha das 18 às 24 horas, suando depois do expediente." (Revista POESIA, Número 6, Recife, PE, Janeiro/Fevereiro, 1981) 

    Foi um empreendimento editorial alternativo, em tempos difíceis de produção e divulgação literária, provando que os escritores brasileiros, sobretudo os mais jovens e inéditos, tinham condições de  produzir o seu próprio livro, como revela, de forma afirmativa, o escritor e editor Jaci Bezerra  :  "Não interessa à Pirata o choro e as lamentações dos que ficam rondando, originais debaixo do braço, os muros das editoras e das instituições oficiais.  Nem interessa à Pirata, enquanto literatura em movimento, as afirmações dos que dizem que bom mesmo é ser publicado, em policromia, pelas editoras do sul-maravilha. A Pirata se propõe, de fato, a ser uma alternativa editorial para os escritores brasileiros, como forma de resistência cultural independente, e independente de sectarismo e gerações." (Revista POESIA, Número 6, Recife, PE, Janeiro/Fevereiro, 1981) 

     Sediada no Recife (PE), a "Edições Pirata" lançou, sem estrutura empresarial ou comercial, mais de 300 títulos de escritores de vários estados brasileiros, promovendo verdadeiras festas com os seus lançamentos "coletivos". Todos participavam e todos brilhavam.   

  Esses livros - muitos em pequenos volumes artesanais - serão resgatados, preservados e republicados em um novo projeto editorial, digital, que contará, certamente, com o apoio da Prefeitura do Recife e do Governo do Estado de Pernambuco, em 2019,  na realização da festa cultural dos 40 ANOS DA EDIÇÕES PIRATA. 

     (Juareiz Correya) 

     

sábado, 14 de maio de 2016

GERAÇÃO 65, JACI BEZERRA E A "EDIÇÕES PIRATA", QUE VAI COMPLETAR 40 ANOS !


EDIÇÕES PIRATA - GERAÇÃO 65, 
50 ANOS : Palestra de Juareiz Correya 
(Capa do DVD produzido por Carlos 
Augusto Cavalcanti, da AC Filmagens) 



     A convite das escritoras amigas Myriam Brindeiro e Eugênia Menezes, apresentei, quinta-feira, 
dia 3 / maio, às 16 horas, no espaço Cultura Nordestina Letras & Artes (Rua Luiz Guimarães, 555, Poço da Panela, Recife, PE), dirigido pela escritora Salete Rêgo Barros, a palestra "A Edições Pirata e a ação solidária do escritor Jaci Bezerra".  O encontro faz parte de um projeto sobre os "50 ANOS DA GERAÇÃO 65", coordenado pelas escritoras amigas, documentando depoimentos de várias pessoas da vida cultural do Recife que pertenceram à "Geração 65" ou tiveram alguma identificação com o grupo literário de Jaboatão-Recife.  

     Particularmente, para mim a "Geração 65" significou a minha amizade com Jaci Bezerra, um dos principais nomes do grupo de poetas assim identificado.  Na verdade, a nossa amizade se firmou desde a primeira hora em que ele iniciou, com um grupo de amigos, em sua maioria funcionários da Fundação Joaquim Nabuco, em 1979, no Recife, o projeto editorial da "Edições Pirata"; e se fortaleceu a partir do projeto editorial que empreendi, com uma pequena editora - a Nordestal -, publicando mensalmente a Revista POESIA, lançada no Recife em abril de 1980.   E, independente do tempo da vida da "Edições Pirata" (de 1979 a 1986) e da Revista POESIA (de 1980 a 1983), a nossa amizade e solidariedade promoveram ainda algumas realizações literárias, editoriais e culturais, em Pernambuco, até a primeira década deste Século 21.  

     Este foi o mote da palestra sobre a "Edições Pirata", que, em 2019 (faltam apenas 3 anos...), o Recife, com certeza, vai festejar : são 40 anos de criação de um movimento editorial, um verdadeiro acontecimento lítero-cultural de Pernambuco que, com o seu saudável e animador exemplo (publicando, em pouco tempo, mais de 300 livros, sobretudo de autores inéditos), conquistou boa parte da inteligência brasileira.   (Juareiz Correya) 




     

segunda-feira, 2 de maio de 2016

A "EDIÇÕES PIRATA" E A AÇÃO SOLIDÁRIA DO ESCRITOR JACI BEZERRA (3)




PIRATAS DO BRASIL ATACAM ! 
(Revista POESIA, capa. Número 6 
- Recife, PE, Janeiro / Fevereiro, 1981)



     Neste número especial, inteiramente dedicado ao movimento editorial Edições Pirata, do Recife, a Revista POESIA, da Nordestal Editora, também recifense, realizou uma produção reconhecidamente antológica : reuniu 53 autores, lançados pela Pirata, como uma espécie de síntese de toda a produção editorial que o grupo pernambucano empreendia no Estado para espanto cultural do Brasil.  

     Na apresentação dessa edição da Revista POESIA, afirmamos : 

     "Em pouco mais de um ano de atividade, a "Edições Pirata", aqui no Recife, publicou quase uma centena de livros, incluindo em sua maioria títulos de poesia, seguidos de contos, ensaios, crônicas, novelas e desenhos.  Um número muito significativo - em que pese a pequena tiragem das obras - para uma região que sabemos de grande carência editorial. Sem preconceito, aberta a todas as tendências, a "Edições Pirata" tem publicado autores desde os oito meses até os oitenta anos de vida literária."  

     E, mais adiante, registramos : 

     "Para o poeta Jaci Bezerra, se o escritor brasileiro se despir da vaidade do desejo de ser estrela, pode produzir o seu próprio livro. Não interessa à Pirata - declara Jaci Bezerra - o choro e as lamentações dos que ficam rondando, originais debaixo do braço, os muros das editoras e das instituições oficiais. Nem interessa à Pirata, enquanto literatura em movimento, as afirmações dos que dizem que bom mesmo é ser publicado, em policromia, pelas editoras do sul-maravilha.  A Pirata se propõe, de fato, a ser uma alternativa editorial para os escritores brasileiros, como forma de resistência cultural independente, e independente de sectarismos e gerações."

     Neste antológico número 6, a Revista POESIA  publicou poemas destes autores, lançados em livros pela Edições Pirata :

     Celina de Holanda, Arnaldo Tobias, Alberto Cunha Melo, Domingos Alexandre, Almir Castro Barros, Montez Magno, Sérgio Bernardo, Janice Japiassu, Maria da Paz Ribeiro Dantas, Vanêde Nobre, Paulo Gustavo, Antonio de Campos, Maria do Carmo Barreto Campello de Mello, Severino Filgueira, Juareiz Correya, José Mário Rodrigues, José Rodrigues de Paiva, Myriam Brindeiro, Idel Marinho, Odete Vasconcelos, Orley Mesquita, Francisco Bernardes Lacerda, Raul Lody, Benedito Cunha Melo, Iracema Rodrigues, Bartyra Soares, Fernando Monteiro, Gamaliel Perruci, Gilberto Freyre, Rubem Braga, Ascension Palácios, Wilson Rocha, Taiz Fernandes, Sanderson Negreiros, Olímpio Bonald, Marcos Cordeiro, Marcelo Mário de Melo, Manuel Constantino, Lea Tereza Lopes, José Carlos Targino, Jaci Bezerra, Eduardo Diógenes, Clodomir Monteiro, Mauro Mota, Clara Angélica, Celso Mesquita, Carlos Moreira, Suzana Brindeiro, Dirceu Quintanilha, Kátia Bento, Bráulio Tavares e Ledo Ivo.  


(Texto de JUAREIZ CORREYA  / 
 Boa Vista, Recife, 02 de maio 2016) 




A "EDIÇÕES PIRATA" E A AÇÃO SOLIDÁRIA DO ESCRITOR JACI BEZERRA (2)




Lançamento coletivo da "Edições Pirata" 
no Rio de Janeiro :  autores pernambucanos 
fotografados na área externa do Museu
 de Arte Moderna - RJ 


     "Lançando com sucesso os seus livros, mesmo com circulação restrita a Pernambuco, a Pirata já estourou lá fora e somou, neste final do ano, mais um tento positivo na sua brilhante carreira : promoveu, na Fundação Nacional das Artes (FUNARTE), no Rio de Janeiro, no último dia 12 de dezembro, apresentação de todos os seus títulos lançados até hoje, numa festa pernambucarioca muito positiva, com a presença de 15 autores pernambucanos piratas", assim foi registrado o lançamento coletivo da Edições Pirata,  no Rio de Janeiro, na apresentação do número 6 da Revista POESIA (Recife, PE, Janeiro/Fevereiro, 1981), especialmente dedicado ao movimento editorial (PIRATAS DO BRASIL ATACAM).  

     A fotografia reproduzida nesta página registra, da esquerda para a direita, estes autores : em pé - Odete Vasconcelos, uma amiga do Rio, Juareiz Correya, Moacyr Sena Dantas, Paulo Gustavo, Maria de Lourdes Hortas, Sérgio Lemos, Tarcísio Pereira, Vilma, Jaci Bezerra, Suzana Brindeiro e Montez Magno; agachados - Marcos Cordeiro, Jadson Bezerra e Josenildo Freire.   

     (JUAREIZ CORREYA - Recife, PE, maio / 2016)  






domingo, 1 de maio de 2016

A "EDIÇÕES PIRATA" E A AÇÃO SOLIDÁRIA DO ESCRITOR JACI BEZERRA




Revista POESIA (capa) 
- Número 1, Recife, Abril, 1980



     VINICIUS DE MORAES É PERNAMBUCANO ? (fotografia) foi o texto destacado, na capa da Revista POESIA (Número 1), lançada no Recife em abril de 1980 pela Nordestal Editora, que destacava também, na reportagem PIRATAS INVADEM O RECIFE, a criação do movimento editorial da Edições Pirata em Pernambuco. 

     O escritor Jaci Bezerra, um dos criadores da Edições Pirata, fez de tudo (mas de tudo mesmo!) para que a Revista POESIA fosse lançada, apoiando, de forma intelectual, compartilhando informações e sugestões, social, cultural e até material - em encontros na Livro 7, Fundação Joaquim Nabuco, nos bares do Recife...  Ele se comprometeu, com a nossa amizade, nascida nesse tempo, com o nosso trabalho literário e editorial, de uma forma tão expressiva, tão marcante na trajetória das nossas vidas, que durou todo o tempo de edição da Revista POESIA (desse número 1, lançado em abril de 1980 até o número 10, que circulou em maio/1983, quando encerramos a sua produção). Foi além disso, da integração que ele e eu realizamos com as atividades da Edições Pirata e da Revista POESIA, e me acompanhou na empreitada da edição do livro POEMAS DE ASCENSO FERREIRA (1981) do meu livro AMERICANTO AMAR AMÉRICA  (1982), fazendo questão de escrever o seu posfácio, me dedicando, de forma muito gratificante,  um dos melhores textos críticos já escritos sobre a minha iniciante poesia..., chegando a colaborar, pessoalmente (1983), com o projeto de criação, de nossa autoria,  da FUNDAÇÃO CASA DA CULTURA HERMILO BORBA FILHO, em Palmares, cidade natal do escritor homenageado.  Fizemos ainda outras coisas juntos, em uma parceria informal e, naturalmente,  com a nossa amizade solidária, independente da Edições Pirata e da Revista POESIA.  

(JUAREIZ CORREYA, Recife, PE, abril de 2016)