sábado, 31 de dezembro de 2011

PALAVRA

Eu sou a Unidade.
Tudo multiplico.
Nada subtraio.
Unicamente somo.




Juareiz Correya


(Santo Amaro, Recife,
31/dezembro/2011).

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

CORAÇÃO PORTÁTIL : "IDENTIDADE BRASILEIRA"

não falo escrevo e canto
em português
(como cantava
um antigo compositor
cearense).
falo escrevo e canto
em brasilês



____________________________
Transcrito do ebook
CORAÇÃO PORTÁTIL
- Editorial Emooby / Pubooteca,
Ilha da Madeira - Portugal, 2011.

domingo, 25 de dezembro de 2011

JESUS NASCE TODOS OS DIAS

O menino Jesus
não nasceu em Belém
no dia 25 de dezembro.
O menino Jesus
nasce todos os dias
em todas as cidades.


E nem é Natal
quando ele nasce.
Não há estrelas especiais
nos céus
nem governantes
que têm fé
para que milagres se cumpram.
Nem mesmo há Marias
Compadecidas e de coração
iluminado de amor.
Há mulheres com pressa
parindo automáticas
pequenos negativos
da miséria e da dor.
Eles vão crescer
talvez sem infância
sem pão e estudos
e sem condição sequer
de carinho e ternura
entre pais e irmãos.
Não saberão o que é
o Outro, o Próximo,
e que a Humanidade existe,
porque tudo lhes foi negado
desde o dia do nascimento.
O menino Jesus
que é muitos e sem nome
sem teto e com fome,
nem saberá o que é a História
que se repete todos os dias
em que ele será Cristo
sem ser Deus.



(Do livro inédito POEMAS DO NOVO SÉCULO)

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

DA CRÍTICA BESTA

O pretenso crítico diz :
- Mais uma vez o senhor falhou...
O criticado responde logo :
- Fale certo. Diga assim :
"Mais uma vez o senhor falou!"



Juareiz Correya
(Recife, 15/dezembro/2011)

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

POETA ALBERTO FLORES, DO MÉXICO, VAI TRADUZIR "AMERICANTO AMAR AMÉRICA"

"Desde já, além de comunicar a recepão de tua obra literária, te comunico que me empenharei delicadamente na tradução poética de Americanto Amar América. Muchas gracias por la confianza. Fraternalmente, Alberto Flores."



Recebi esta comunicação em e-mail do poeta mexicano Alberto Flores, hoje, 12/dezembro, e confesso que esta é uma notícia que muito me alegra, neste final de ano de 2011, encerrando, como uma premiação, de forma muito positiva, um ano de exigente superação, com problemas de saúde, conquistas, sonhos, milagres, tristeza, morte de amigos, projetos realizados e outros interrompidos, adiados, e novos projetos sonhados para
esta segunda década do Século 21. Entre estes, claro, a edição bilingue (português/espanhol) do meu poema AMERICANTO AMAR AMÉRICA (publicado em 1975, 1982, 1993, 2010), com a competente tradução do poeta Alberto Torres. Nascido em San Pablo Ixayoc,Texcoco, Estado de México, Alberto (Vivar) Flores fez seus primeiros estudos na Cidade do México, DF, e seus estudos universitários na Universidade Pontifícia de Salamanca, Espanha, cursando posteriormente o Mestrado e o Doutorado em universidades do Brasil. Atualmente o poeta desempenha atividades de docência, pesquisa e extensão na Universidade Federal de Alagoas (UFAL).

ARTISTAS DE PALMARES RECONHECIDOS NO MUNDO NÃO FORAM ESQUECIDOS PELA FUNDAÇÃO CASA DA CULTURA HERMILO BORBA FILHO

Muito importante o posicionamento, a inteligente palavra crítica do professor Marcondes Calazans sobre a desatenção, o desrespeito e o desprezo do Município dos Palmares que condenam ao esquecimento, hoje, os grandes artistas plásticos Murillo La Greca e Darel Valença Lins (Texto publicado em blog do jornal eletrônico PENOTICIA - http://www.penoticia.com.br -, dia 29/setembro/2011). Mas um pouco injusto com a Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho, que soube, nos períodos em que a administramos (de 1984 a 1987 e de 1997 a 2004), trabalhar com atenção e respeito a valorização da grandeza artística desses dois ilustres filhos palmarenses. Para começo de conversa, é bom avivar a memória e esclarecer que a instituição não apresentou ao prefeito Luís Portela de Carvalho um projeto de "museu em homenagem ao pintor palmarense Murillo La Greca", como escreve o citado professor, enfatizando o lamento de um professor da UFPE. Em seu projeto original, a Fundação Hermilo Borba Filho apresentou (1984), isto sim, a criação de um Centro de Arte Murillo La Greca, núcleo operacional onde se instalaria a Coordenadoria de Arte da FCCHBF, a princípio, no Casarão do Alto do Inglês...

Dez anos depois, com a minha volta a Palmares em 1997,a instituição retomou o projeto original, dimensionando a instalação desse Centro no edifício da ESTAÇÃO CULTURAL DOS PALMARES, a antiga Estação Ferroviária, hoje erroneamente denominada "Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho". A instalação do Centro de Arte Murillo La Greca foi iniciada, na nossa administração, em 2002, como está devidamente documentada na reportagem (capa) Palmares vai ter Estação Cultural (publicação da REVISTA ATLÂNTICA, da Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho/Prefeitura dos Palmares - Ano I, número 1, maio/junho de 2003). E a Fundação Hermilo Borba Filho, muito antes, em 1984, entrevistou e documentou, em vida, o artista plástico Murillo La Greca, em sua residência no Recife. Esse documentário, gravado em VHS, foi feito pelo fotógrafo e cineasta palmarense Givanilton Mendes, com a nossa participação e a do artista plástico Ângelo Meyer, então coordenador de arte da instituição.

Por outro lado, também o artista plástico Darel Valença Lins não foi esquecido pela Fundação Hermilo Borba Filho, visto que, ainda nesse primeiro período da nossa administração, ele foi pioneiramente entrevistado, pela fundação palmarense, no Recife, sobre a sua vida e a sua arte. A entrevista, gravada em vídeo (VHS), foi documentada pelo fotógrafo e cineasta Givanilton Mendes, com a nossa participação e a do coordenador de arte Ângelo Meyer. Esses documentários fazem parte do acervo da Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho que, em seu projeto "História Viva" preservou (e deve continuar preservando !) parte essencial da história artística e cultural da Terra dos Poetas.

Está provado que a Fundação Hermilo Borba Filho, não permitindo que os seus ricos valores artísticos fossem esquecidos, homenageou ainda em vida o artista plástico Murillo La Greca, dimensionando a criação de um Centro de Arte com o seu nome e, mesmo não tendo sido inaugurado, naquela época, o próprio Murillo La Greca, ao tomar conhecimento da homenagem, ficou muito sensilizado e agradecido ao prefeito Luís Portela de Carvalho e com o povo de Palmares que muito se engrandeceria com a criação e a consequente atividade do Centro de Arte Murillo La Greca.


JUAREIZ CORREYA
(Recife, 6 de dezembro de 2011)

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

JUAREIZ, poemeto de Ary Sergas Santos

Coração
Americanto
Enquanto canto
Coração





(Recife, Primavera de 2011)


________________________________________
ARY SERGAS SANTOS nasceu em Maceió (AL).
Viveu no Rio de Janeiro, e nas alagoanas
Santana de Ipanema, União dos Palmares,
Viçosa. Deixou se encantar há tempo pelo
Recife, onde vive, escreve e publica
a sua poesia. Tem 4 livros publicados
em edições do autor impressas pela
Prelo Edições (Timbaúba, PE).

domingo, 4 de dezembro de 2011

PAULO AZEVEDO CHAVES LANÇA LIVRO-HOMENAGEM "RÉQUIEM PARA RODRIGO N"

O poeta, jornalista e crítico de arte pernambucano Paulo Azevedo Chaves lançou, ontem, das 17 às 20 horas, no jardim da "Casa Branca" (Granja Santo Antonio - Av. General Manoel Rabelo, 234, Engenho Velho, Jaboatão dos Guararapes, PE), o seu novo livro intitulado RÉQUIEM PARA RODRIGO N", homenagem póstuma dedicada ao seu amigo Rodrigo Nascimento, assassinado em 23 de janeiro/2011. Exemplares do livro foram distribuídos gratuitamente, na ocasião em que ocorria um recital poético com a participação especial de Lucila Nogueira e Raimundo de Moraes. Foi apresentado também um esquete dramático com a participação dos atores Cleyton Cabral e Daniel Barros.

Em edição do autor, o livro "RÉQUIEM PARA RODRIGO N." tem capa e projeto gráfico de Roberto Portella, impresso na Editora Coqueiro, do Recife, com tiragem de 200 cópias. O novo livro de Paulo Azevedo Chaves está estruturado em três partes distintas :

1 - Textos em Prosa
"Paisagem Calcária na Poesia Pernambucana" (artigo), "Morte Súbita" (conto), "O Crack Nosso de Cada Dia" (artigo), "O Planeta em Risco" (artigo)

2 - Poemas
"Réquiem para Rodrigo N", "Atiradores de Misrata", "A Lua Rubra do Yang-Tsé", "Diálogo com o Porta-Retrato"

3 - Poemas Traduzidos
"A Tommaso Cavalieri" (Miguel Ângelo), "Musée des Beaux Arts" (W.H.Auden), "Perfume Exótico" (Charles Baudelaire), "Exílio" (Hart Crane), "Verdade e Beleza" (Emily Dickinson), "Fogo e Gelo" (Robert Frost), "Délfica" (Gerard de Nerval), "Soneto para Helena" (Pierre de Ronsard), "O Bosque Amigo" (Paul Valéry), "Arieta" (Paul Verlaine), "A Segunda Vinda" (William Butler Yeats), "Momentos Nativos" (Walt Whitman).


PAULO AZEVEDO CHAVES, bacharel em Direito, assinou no Diário de Pernambuco, nos anos 70/80, a coluna cultural "Poliedro" e depois a coluna "Artes e Artistas", especializada em artes plásticas. Livros publicados : VERSOS ESCOLHIDOS (Edições Pirata, 1982, traduções); TRINTA POEMAS E DEZ DESENHOS DE AMOR VIRIL (Pool Editorial Ltda., 1984, traduções); NU COTIDIANO (Grupo X, 1988, poesias); NUS (Editora Comunicarte, 1992, coletânea de poesia). Em 2003, participou de uma coletânea de artigos publicados na seção Opinião, do Jornal do Commercio, em edição patrocinada pelo próprio jornal com o título ESCRITAS ATEMPORAIS (Edições Bagaço). Atualmente Paulo Azevedo Chaves trabalha como consultor adjunto e tradutor numa indústria em Jaboatão dos Guararapes (PE).