domingo, 21 de novembro de 2010

BRASÍLIA VALE OURO

"presença da palavra como terra da terra como palavra / duas linhas para além do planalto / cruz de asas infinitas sonhando homens e séculos."
(Juareiz Correya)






(do livro BRASÍLIA VALE OURO
- Uma homenagem a capital do país -
50 anos / Frases que valem ouro -
Organização de Ronaldo Nóbrega Medeiros
- Brasília, Distrito Federal,2010)

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

PEQUENAS HISTÓRIAS DE ATLÂNTICA

Preparo o meu primeiro livro de contos - PEQUENAS HISTÓRIAS DE ATLÂNTICA - para publicação virtual em 2011. Um conjunto de 21 pequenas histórias inéditas que escrevo há alguns anos, na sequência da organização de outro livro de contos - A BIOGRAFIA DE DEUS - também inédito, organizado desde a década de 1980.
Fazem parte do livro PEQUENAS HISTÓRIAS DE ATLÂNTICA estes contos : "A geração do sangue", "Praça da Luz, 1710", "A Sorte existe", "O salto de Ranulfo", "Jornal falado de Givanilton Mendes", "A aposentadoria do escritor", "O nascimento do Homem", "Sem saber amar", "Passageiro de primeira viagem", "Joelina", "A mais bela", "A tia", "Zeca Alho", "O puto", "Motes & Mortes", "Um policial de verdade", "O Estado é terrorista","Filha e mãe de Hermilo", "A via-crúcis de Paulo Bruscky", "Joana de Olinda","A independência de Dois Portos".

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Meus poemas e um conto em antologias de Pernambuco

Próximo sábado, dia 30, às 16 horas, na FLIPORTO (Parque do Carmo, Olinda, PE), lançamento das antologias PERNAMBUCO, TERRA DA POESIA (organização de Antonio Campos e Cláudia Cordeiro), PANORÂMICA DO CONTO EM PERNAMBUCO (organização de Antonio Campos e Cyl Gallindo) e CRONISTAS DE PERNAMBUCO (organização de Antonio Campos e Luiz Carlos Monteiro). As duas primeiras antologias estão sendo lançadas,em segunda edição, pelo IMC-Instituto Maximiano Campos e Carpe Diem Edições e Produções, do Recife, e a antologia de crônicas é inédita.

Participo da antologia PERNAMBUCO, TERRA DA POESIA com os poemas "Passagem na ponte" (in POESIA VIVA DO RECIFE, 1996) e "Canção para Victor Jara" (in AMÉRICA INDIGNADA, 1986). E da antologia PANORÂMICA DO CONTO EM PERNAMBUCO participo com o conto "O dia em que a cidade endoidou", do meu livro inédito A BIOGRAFIA DE DEUS. (Juareiz Correya)

terça-feira, 9 de novembro de 2010

MEU TWITTER : MAIS DE 2.000 POSTAGENS

Meu Twitter (http://twitter.com/juareizcorreya), que é hoje também um jornal diário (http://paper.li/juareizcorreya) registra um bom número nesta rede social : mais de 2.000 postagens, com destaque para literatura (sobretudo poesia), jornalismo, educação e política brasileira. Sigo mais de 300 twitters com os quais me identifico e sou seguido por 157 twitteiros.

Sim : tentei a cara nova do Twitter. Voltei, em pouco tempo, para a sua versão original. Sem confusão e contrariedade, leio apenas o que me interessa : as postagens dos twitteiros que sigo.

domingo, 7 de novembro de 2010

NOTURNO DAS CIDADES GRANDES

As cidades grandes não dormem
Sonham de olhos abertos
No desassossego dos hospitais
Na prontidão dos garis das prefeituras
Garimpando o lixo interminável de todos
Nos ônibus e táxis dos notívagos
E dos empregos de exércitos de zumbis
Fazendo da meia-noite o seu meio-dia
Nas mesas postas dos restaurantes e bares
Abertos 24 horas como quem morre se parar
Nos meretrícios oficiais e nos puteiros clandestinos
Na vigília dos ladrões e dos filhos dos trapos humanos
Infernizando as praças drogando seus futuros
E na alegria infinita dos encontros dos amantes
- Arte do destino para que a vida sempre amanheça



(Recife, 21/outubro/2010)

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

TWITTER : BRASILEIRO CONSCIENTE, DILMA PRESIDENTE ! (2)



http://ultimosegundo.ig.com.br/eleicoes/lula-dilma-e-alvo-das-mesmas-cretinices-pelas-quais-passou/ (27/10)

VOX POPULI E DATA FOLHA confirmam vítória de Dilma : 12% de vantagem no total de votos válidos. São mais de 15 milhões de votos na frente. (27/10)

O BRASIL TEM UM PRESENTE INESQUECÍVEL PARA O PRESIDENTE LULA, QUE ANIVERSARIA HOJE : A ELEIÇÃO DE DILMA 13, DIA 31. (7/10)

Paulo Preto é fichinha - http://b21.me/a2pss7 - Tucanagem mesmo é com Ricardo Sérgio Oliveira (26/10)

http://www.estadao.com.br/noticias/nacional.analise-dos-cientistas-politicos-dilma-evolui-e-serra-nao-convence (26/10)

Jornal Juareiz Correya : BRASILEIRO CONSCIENTE, DILMA PRESIDENTE ! (http://jornal-jc.blogspot.com) (26/10)

NovaE - Primo de Serra depositou US$ 1,2 milhão no exterior para tesoureiro tucano em 2002 (26/10)


____________________________________
Transcritos do meu Twitter
- http://twitter.com/juareizcorreya

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Jornal Juareiz Correya: TWITTER : BRASILEIRO CONSCIENTE, DILMA PRESIDENTE ...

Jornal Juareiz Correya: TWITTER : BRASILEIRO CONSCIENTE, DILMA PRESIDENTE ...: "Polícia Federal libera íntegera do depoimento do jornalista Amaury Ribeiro Junior : José Serra investigava Aécio Neves e vice-versa... (S..."

TWITTER : BRASILEIRO CONSCIENTE, DILMA PRESIDENTE !



Polícia Federal libera íntegera do depoimento do jornalista Amaury Ribeiro Junior : José Serra investigava Aécio Neves e vice-versa... (Segunda, 25/10)

Chauí : "Tucanos articulam violência para culpar PT" - Política / Rede Brasil Atual - http://www.redebrasilatual.com.br (Segunda, 25/10)

STF devia abrir os arquivos da Folha de S. Paulo, afirma corajoso artigo de Altamiro Borges - http://altamiroborges.blogspot.com (Segunda, 25/10)

VOX POPULI : Dilma tem 57% dos votos válidos; Serra tem 43%. A verdade vence a mentira. (Pesquisa divulgada hoje no IG/Último Segundo). (Segunda, 25/10)

#globomente : o dia em que o Twitter calou a Rede Globo (Segunda, 25/10)

HOJE À NOITE, NO DEBATE DA RECORD, MAIS UMA VEZ A VERDADE DE DILMA VENCE A MENTIRA DE SERRA. (Segunda, 25/10)

A festa de Dilma e a passeata "importada" de Serra (Segunda, 25/10)

TSE suspende propaganda mentirosa de Serra (http://www.folhape.com.br/php-noticias-geral). (Segunda, 25/10)

BRASILEIRO CONSCIENTE / Não vota em branco / Não vota nulo / Não deixa de votar./ VOTA DILMA PRESIDENTE ! (Segunda, 25/10)



____________________________________
Transcrição do meu Twitter
- http://twitter.com/juareizcorreya

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

QUEM ERAM OS TERRORISTAS ?

Minha amiga Nena Meier, após alguns anos na Europa, voltou ao Recife, sua cidade natal, há alguns meses. Ela me enviou um e-mail, solidária com a campanha de Dilma Rousseff à Presidência da República, que merece ser lido como uma carta aberta aos estudantes :

"No final da década de 70, eu tb combati a ditadura, era uma estudante que fazia parte da UNIÃO DOS ESTUDANTES SECUNDARISTAS (UBES). Em sua história acumulam-se inúmeras vitórias e participações em eventos importantes para a vida política do país, como a resistência à ditadura militar, a luta pelo passe-estudantil, pela meia-entrada em atividades culturais, esportivas e sociais, pelo voto aos 16 anos e contra as guerras. Realizou em 2005 seu 36o. Congresso. Muitos desses congressos aconteceram na ilegalidade durante a Ditadura Militar, entre 1964 e 1985, quando a UBES lutava por liberdades democráticas no Brasil.
A instituição participa do Conselho Nacional da Juventude e da Coordenação dos Movimentos Sociais (CMS), ao lado da UNE, MST, CUT, movimentos de moradia, pastorais e diversos sindicatos.
Na época o meu pai era um ex-milico, ele me falava para ter muito cuidado com a minha rebeldia terrorista.
Ele me explicava que a polícia era treinada para bater, torturar e matar. Ele ainda falou, preocupado : - Não posso fazer nada por vc se eles te pegarem, te cuida filha !
Eu ñ era uma terrorista, era apenas uma estudante secundarista, militante do PT, cheia de sonhos e ideologia.
Eu e vários estudantes somos um pouco do PT de hoje.
É DILMA ! É 13 !"



Nena Meier complementa a sua mensagem com esta informação :

O crítico de cinema e editor do CINEMA EM CENA (http://cinemaemcena.com.br) Pablo Villaça (http://twitter.com/pablovillaca)discute o assustador fenômeno de jovens que hoje se referem àqueles que combateram a ditadura militar como "terroristas".

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

O TEATRO NAZI-FASCISTA DE JOSÉ SERRA

Um incidente lamentável, com provocação e agressão inicial do PSDB contra manifestantes do PT, confusão e ferimento acidental de José Serra, foi o suficiente para que o candidato demotucano à presidência usasse a sua "metralhadora anti-Lula" : "São tropas de assalto do PT. Isso é próprio de movimentos fascistas. Isso é uma tropa de assalto... Isso é típico de movimentos fascistas, como eles são."
Agora o candidato vai se fazer de vítima até o último dia da campanha do segundo turno. Incriminando Lula, Dilma e o PT.
Ele estava em Campo Grande, bairro do Rio de Janeiro, com o seu vice Índio da Costa, o provocador. Escolheu um candidato a vice, jovem (para iludir os jovens), cuja juventude é só o retrato de um Dorian Gray aloprado e desagregador. Serra está colhendo os seus frutos... E os dois se merecem. Podem até passar para a história como dois bufões boçais. São capazes de armar, em toda ocasião, um circo sem tamanho para a encenação do seu teatro político de nenhuma categoria.
Sim : de fascismo o candidato José Serra entende muito bem. Ele o pratica todos os dias. É um refinado nazi-fascista, repetindo acusações falsas em todas oportunidades, com o objetivo de fazer com que a mentira, tantas vezes repetida, se torne verdade.
O tiro, mais uma vez, vai sair pela culatra.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

GRITO DE AMOR PELO RECIFE (desentranhado da crônica de Paulo Cavalcanti)

Os muros do Recife
estão cheios desta frase :
"De quem é a culpa ?"

Isto é o Recife de hoje,
cidade de um milhão e meio de habitantes,
metade rico, metade pobre.
Metade que não dorme direito :
tem medo da outra metade que passa fome.
A gente em casa
com as portas e janelas gradeadas.
E os ladrões por fora das grades.

De quem é a culpa ?,
perguntam os muros da Cidade.
A culpa é de todos nós, não culpem o Recife.
Quem polui os rios da Cidade ?
Quem suja e infecta suas ruas e avenidas ?
Quem envenena os peixes os caranguejos
do Capibaribe e do Beberibe ?
Quem aterra os leitos dos cursos d'água,
provocando as cheias das invernadas ?
Todo mundo chora e protesta
contra a fúria das águas em maré alta,
dizia Brecht.
E o poeta alemão respondia :
"Ninguém protesta diante da fúria
dos homens contra os rios,
roubando-lhes o direito de correr,
mansos e pacíficos."

Todos nós devemos um mea culpa ao Recife,
belo de nascença.
Nós, homens e mulheres deste século,
tornamos o Recife triste e feio.
O Recife poético e heróico,
dos versos de Carlos Pena Filho,
Gilberto Amado e Austro Costa,
hoje tem medo de suas crianças.
Nós, homens e mulheres,
na pequenez dos nossos gestos
e na imprudência das nossas ações,
vivemos a ofender e humilhar o Recife,
colocando o seu nome
- como um criminoso -
nas manchetes dos jornais do mundo.

A culpa é nossa,
respondo aos muros da Cidade.
O Recife não mudou.
Mudaram os homens, mudamos nós.
Quando os grupos de extermínio
matam três crianças por dia no Recife
morremos todos nós.
"Por quem os sinos dobram ?",
indagava o escritor Hemingway.
Ele mesmo respondia :
"A morte de qualquer homem me diminui
porque sou parte do gênero humano.
Não me perguntes por quem os sinos dobram.
Eles dobram por ti."


Juareiz Correya


Recife, Santo Amaro, 10/10/2010.

_________________________________________________
Poema desentranhado da crônica
"Grito de Amor pelo Recife", de Paulo Cavalcanti,
publicada no Diário de Pernambuco em outubro de 1991.

A INTOCÁVEL BELEZA DO FOGO, de Geraldino Brasil (2)

O POEMA


O poema não deve ser um conjunto de palavras como este
dando uma definição dicionária.
Nem oferecendo uma definição.

Deve ser melhor
do que bom apenas
e não se acabar como o sorvete
que se tomou sem a namorada.

As palavras procuradas pelo seu poeta
não serão daquelas que o leitor
tenha de consultar dicionário
ou, pelas outras do poema,
o deixam desinteressado do trabalho.

O poema deve menos falar e mais dizer.
Pode ter de gritar
a quem tem ouvidos moucos.
Pode falar a quem sabe
ouvir silêncios de uma pessoa que conversa.


_______________________________


O POVO


Pelos caminhos do mundo
um homem, uma mulher, um menino,
o hoje mais antigo da Terra,
povo.
Homem, mulher,menino,
multiplicação,
multidão,
povo.
O povo manso, submisso,
impertinente, respeitador,
triste,crédulo, desconfiado,
tolo, esperto, formiga que carrega
uma folha verde maior que ele.
É lago e mar selvagem, pede,se dobra,
se levanta, indolência e trabalho duro,
o povo vive,
o povo sobrevive,
povo.
O povo é a fraqueza que cria o poder.
O povo é o rebanho que dorme.
O povo é a boiada que estoura.
É o sonho que sonha.
O povo vive,
o povo sobrevive,
trágico,
cômico,
mágico,
lírico,
épico,
infinito,
povo.


_____________________________________


MAIOR DISTÂNCIA


A maior distância
da Terra é entre duas
portas de apartamentos.


___________________________________


TEU AMOROSO SORRISO


No silêncio se fecunda
a meditação
da teoria.
Mas há o que prescinde de pensamento e palavra,
é a própria beleza,
como a intocável do fogo, como a inesquecível
do teu sorriso amoroso
que hoje procuro na cadeira vazia
do outro lado agora tão distante
daquela nossa mesa.



(do livro A INTOCÁVEL BELEZA DO FOGO
- de Geraldino Brasil -
Companhia Editora de Pernambuco - CEPE/
Secretaria da Casa Civil / Governo de Pernambuco,
a ser lançado amanhã, 19/10,
às 19 horas, na Livraria Cultura,
Recife Antigo, PE).

domingo, 10 de outubro de 2010

UM HOMEM DE MERDA

"Assim trabalhávamos, esperávamos pela luz.
Ficávamos sem carne e reclamávamos o pão.
E Richard Cory numa clara noite de verão
Foi para casa e meteu uma bala na cabeça"
(EDWIN ARLINGTON ROBINSON)




Ele era conhecido e admirado e amado
Na cidade onde vivia e nas cidades vizinhas.
Um artista popular aplaudido e louvado
Nas outras regiões e nos lugares aonde ia.


Todos gostavam da sua música e dos seus versos.
Os homens da sua geração nele se identificavam.
Os mais jovens seguiam o que ele cantava e dizia,
Como verdades bíblicas e definitivas,
E as mulheres obedeciam a regra da idolatria sexual,
Divinizando seu nome e sua vida.


Sim, ele era como um deus de carne & osso.
Para todos que em sua terra o conheciam
Sua aparição era boa e a certeza
De que ele criava canções para os seus corações
Era uma espécie de sol para todo mundo.


Até o dia em que ele afirmou estar errado
Fazendo o que fazia, seguindo por onde ia.
E riu-se de sua música e rasgou os seus versos,
Gritando aos ventos ser imprestável o que dizia,
Pedindo para que, como ele, esquecessem,
Tudo o que a sua boca maldita havia dito.


E disse mais - que apagassem para sempre
De sua história a idéia de qualquer idéia,
Qualquer pensamento do passado que servisse
Ao povo de alguma alegria, esperança ou fé.


Disse isso e se bandeou, com bom dinheiro,
Para outra terra, outro povo, outro País.
Pátria não havia em seu coração, pútrido,
Um coágulo oceânico de lama verde, dolarizado.


E assim ele se fez de glórias coroado,
Maior aos seus olhos do que era no passado,
Mas o povo da sua terra, a gente inteira
Sabia ao certo a sua história verdadeira.


À sua vida ele havia dado um fim
Pior do que um homem dá com um tiro na cabeça.
Pior do que um homem que nasce e morre sem nome.
O fim de um homem que nunca chegou a ser homem.



Recife, novembro/1997.



(do livro inédito TODOS OS SETEMBROS)

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

NÃO EXISTEM "BLOGS SUJOS". O QUE EXISTE É A SUJEIRA DE SERRA

Uma frase desrespeitosa, carregada de preconceito e de mal-disfarçada raiva, pronunciada pelo candidato da Oposição-ao-Povo, representante do demotucanato-à-direita-volver José Serra (entre as muitas descabidas que tem dito), provocou imediata e forte reação crítica dos internautas, sobretudo dos blogueiros : acusava os blogs e sites que apoiam a candidata a Presidente Dilma Rousseff (PT), de "blogs sujos, semi-oficiais". A reação, assumida em uma campanha autodenominada de BLOG SUJO - Eu apoio "Blog Sujo". Entre também na campanha contra a mídia limpinha. Pegue o seu selo. -, viabilizou um clipping na Internet permitindo, instantaneamente, que os blogueiros e tuiteiros simpatizantes aderissem, numa clara manifestação da indignação de todos, levando na troça o troço da fala ruinosa e antidemocrática do já citado candidato.

Tudo bem com os internautas, blogueiros e tuiteiros do Brasil. Mas que sujeira é essa da denúncia policialesca do candidato José Serra ? Os blogs (seguidos dos tuites) representam o meio mais democrático da comunicação no Brasil e no Mundo. E atuam, quando assumem os seus verdadeiros perfis - neste caso, jornalísticos e políticos - de uma forma mais precisa e honesta do que os jornais e revistas da "Grande Imprensa" ou do PIG (o PIG-Partido da Oposição Golpista e o Serra são a mesma coisa, já alertou Paulo Henrique Amorim) em suas edições impressas e digitais, e também superam as redações de Rádios e de TVs.

Perdido, abatido e infeliz (está na cara), o golpista demotucano da Oposição-ao-Povo não tem discurso, palanque, "Minas não há mais, José, e agora ?"

Aliás, não há Minas, nem São Paulo, nem Brasília. Nenhuma região brasileira apóia a sua campanha suja, carregada de mentiras, calúnias e preconceitos contra a mulher brasileira em geral, nos seus ataques desrespeitosos e às cegas contra a candidata Dilma Rousseff.

Esse candidato orgulhoso e pretensioso ("O senhor não é melhor do que ninguém", disse-lhe, corajosamente, Dilma, em um debate televisivo), que fez da Prefeitura de São Paulo e do Governo do Estado de São Paulo os seus trampolins, enganando os eleitores paulistas, vai voltar, em outubro próximo, para a planície-pé-no-chão da vida de todos os brasileiros. Mas é um homem inteligente e privilegiado, tem mesmo o seu valor (tristemente "desvalorizado" nessa campanha ambiciosa e grotesca). Pode voltar à política... Quem sabe não começaria tudo outra vez no seu bairro paulistano, como presidente da Associação local ? (Juareiz Correya)

SEM NATUREZA

Ventos e chuvas de agosto em setembro
Adiam a anunciada primavera ?
Não há união entre o céu e a terra
E tudo se perde como corpos humanos
Que não se amam
(Apenas se possuem e se destroçam)
E se desencontram juntos
Com energias estéreis
E êxtases infecundos.



(Recife, setembro, 2010)

59 SETEMBROS NO RECIFE (3)

Outras lembranças e parabéns de amigos e amigas - RÁDIO CULTURA DOS PALMARES, http://twitter.com/raoniJmelo, Claudete e o companheiro Ozi dos Palmares, Rogério Generoso, Sílvio Hansen e da poetisa luso-brasileira Maria de Lourdes Hortas, de quem recebi este e-mail :
"Querido amigo Juarez :
Atrasados, mas sinceros, aqui vão os meus afetuosos parabéns pelas suas 59 primaveras no Recife. Vi o seu blog. Gostei de saber que passou um feliz aniversário na companhia da sua família. Que conte ainda muitos bons anos, com saúde, amor e poesia.
Fraterno abraço de M. Lourdes."

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

59 SETEMBROS NO RECIFE (2)

Ano difícil, com problemas e limitações da saúde, mas um ano bom, positivo, construtivo mesmo : publiquei, assinalando os 40 anos da minha poesia,o livro AMERICANTO AMAR AMÉRICA E OUTROS POEMAS DO SÉCULO 20(Panamérica Nordestal Editora, Recife, 2010), publico na Internet o bloglivro AMERICANTO AMAR AMÉRICA (http://americantoamerica.blogspot.com) e
O bloglivro POEMAS DO NOVO SÉCULO(http://jcorreyapanamerica.blogspot.com) e, me mantendo ainda mais conectado, o meu twitter é um jornal diário (http://paper.li/juareizcorreya).

Participo, com os webdesigners Daniel Oscar Panno e João Guarani, da criação do site da Panamérica Nordestal Editora e Produções Culturais, que colocará, em breve, toda a produção já publicada e as novas publicações da Panamérica inteiramente na Internet. 100% do que a Panamérica produziu e produzirá vai ser inteiramente acessado na rede mundial de computadores. Com certeza, começaremos o ano de 2011 em um processo promissor de renovação e de realizações de futuro.

59 SETEMBROS NO RECIFE

Almoço no apartamento onde moro, no centro do Recife, em companhia de Márcia e dos meus filhos José Terra, com o seu filho Pedro Poema, e de João Guarani, com a companheira Patrícia. Também Rafael, filho de Márcia. Telefonema carinhoso de Mariama, minha filha, que vive em Olinda e das minhas irmãs Marinalda e Marly, que vivem em Palmares.
Lembranças e parabéns de amigos e amigas internautas, pelo Hotmail e Facebook : Paulo Cunha Filho,Lucila Nogueira, Faruka Pessoa, Iolanda Silva, Susana Mesquita, Flávio Chaves, Clara Angélica, Cleo Vieira, Roberta Malta, Leonilda Silva Rocha, Inah Coimbra.
Tudo bem. Desejo a todos que possamos comemorar juntos o dobro desta data em 2069.

sábado, 11 de setembro de 2010

TODOS OS SETEMBROS

Setembro não é negro
E não tem apenas
O norte-americano dia 11
Para ser lembrado no Mundo.


Setembro é o mês
Da Carta da Terra
Que os povos irmanados
Escreveram e proclamaram
Para a Paz permanente
De todos os corações.


Setembro é mais colorido
Do que uma transmissão televisiva
As tintas importadas
Os times de futebol
As infinitas combinações computadorizadas
Os olhos as peles
As flores dos cus e das bucetas
De todas as mulheres.


Setembro explode
E não é uma bomba
Um míssil
Um ataque suicida
Um terrorista na multidão.


Setembro explode a sua festa
Como um céu inaugural
De supernovas estrelas
E sóis flamejando
Auroras e primaveras
Amores e vidas.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

A BIBLIOTECA PÚBLICA DOS PALMARES, MEU PRIMEIRO ALUMBRAMENTO

No poema "Evocação do Recife", Manuel Bandeira vê uma moça nuinha no banho - "Fiquei parado o coração batendo / Ela se riu / Foi o meu primeiro alumbramento." Creio que descobri a Bibloteca Pública dos Palmares com esse tipo de emoção. Era um mundo novo com todas as possíveis descobertas e com uma vantagem : me encontrei nele podendo tocá-lo,acariciá-lo, saboreá-lo, conhecendo a sua intimidade e levando-o comigo, nos livros que li e nos vários textos soltos que pude lembrar e guardar.
Tímido e arredio, aos 16 anos, conheci a Biblioteca que funcionava em uma sala ampla e arejada do antigo edifício do Grupo Escolar José Bezerra, na Rua da Conceição, centro da cidade (local onde existe hoje a Rodoviária Municipal dos Palmares, construída após a destruição insensata do edifício dessa escola).
A Biblioteca Pública (que preservava boa parte do acervo do Clube Literário dos Palmares), era dirigida pela professora Jessiva Sabino de Oliveira. Após uma campanha vitoriosa de estudantes palmarenses, da qual participaram, entre outros, os meus futuros amigos Givanilton Mendes e Antonio Maromba, a Biblioteca assumiu a sua identidade definitiva - BIBLIOTECA PÚBLICA MUNICIPAL PROFESSOR FENELON BARRETO - e ganhou, por força da demolição do antigo edifício do Grupo Escolar José Bezerra, uma sede nova : o edifício do histórico Clube Literário dos Palmares, seu atual endereço (Rua Fenelon Ferreira, centro da cidade).
Na Biblioteca que eu conheci - uma ampla sala com vários janelões que arejavam e iluminavam o ambiente durante as manhãs e as tardes do seu funcionamento - fiz descobertas inesperadas e definitivas, lendo de cambulhada tudo o que as minhas mãos alcançavam e a minha intuição de autodidata orientava : obras completas de Machado de Assis, Castro Alves, Humberto de Campos, os poetas românticos brasileiros, alguns poetas modernos (sobretudo os divulgados pela Revista Leitura, do Rio de Janeiro), textos teatrais brasileiros, poetas modernos dos Estados Unidos publicados em uma antologia traduzida no Brasil na década de 1950, a ficção de Jorge Amado, Graciliano Ramos, Adonias Filho, de contistas franceses, russos e norte-americanos publicadas nas antologias da Ediouro, e os suplementos literários do Diário de Pernambuco e do Jornal do Commercio. Na casa dos meus pais, onde eu vivia com quatro irmãs e um irmão, não tinha um livro de ninguém...
A diretora Jessiva Sabino de Oliveira, com quem eu não falava direito, quando encerrava o expediente, nas manhãs em que eu frequentava a Biblioteca, fechava, pessoalmente, cada um dos oito janelões da sala - e deixava por último o janelão à luz do qual eu me sentava,com um aviso quase inaudível : "A Biblioteca está fechando." Eu recolocava o livro na sua estante e saía rápido sem uma palavra. Nesse ano, concluí o curso ginasial sem ter em casa sequer um livro escolar (meu pai não tinha dinheiro para esse luxo...)


Aos 17 anos, após a conclusão do curso ginasial, no Ginásio Municipal Agamenon Magalhães, eu já conseguia falar e me entender com a professora Jessiva e tive a coragem de lhe oferecer alguns textos que escrevi, as tentativas da minha primeira poesia. Recebi dela, além de uma namorada um pouco mais madura do que eu, os primeiros incentivos para escrever, para acreditar no ofício literário - e sobretudo na Poesia - que me fascina, me condena e me liberta até hoje. (JUAREIZ CORREYA)

sábado, 4 de setembro de 2010

DIARIO NA HISTÓRIA - Há 25 anos : Poeta vê acervo ameaçado

Sábado, 31 de agosto de 1985



O poeta Juareiz Correya,presidente da Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho, enviou documento com apelo ao ministro da Cultura, Aloísio Pimenta, no sentido de "não permitir que o acervo do pintor Murillo La Greca seja alvo de interesses diferentes daqueles que pretendem respeitá-lo como patrimônio cultural do Estado e do país." O artista, antes de falecer, em julho deste ano, mantinha entendimentos com a Prefeitura do Recife para a criação do "Museu Murillo La Greca", a ser constituído com parte do acervo particular do pintor, cujos trabalhos já haviam sido reservados por ele mesmo para tal fim. Com o agravamento da saúde do artista tudo ficou mais difícil. A Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho, através da sua direção, manteve uma última entrevista com Murillo La Greca, em março deste ano, produzindo um amplo documentário em sua residência. Diante do quadro atual, a Fundação Hermilo Borba Filho enviou documentos ao ministro Aloísio Pimenta, à Sra. Leopoldina Lagreca - da família herdeira -, ao prefeito Joaquim Francisco, ao Secretário de Turismo, Cultura e Esportes, Francisco Bandeira de Melo e ao reitor da UFPE, George Browne.


____________________________________________________
Transcrito da página "Diario na História" /
DIARIO DE PERNAMBUCO (http://www.diariodepernambuco.com.br),
edição de terça-feira, 31 de agosto de 2010.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

POESIA VIVA

Para um poeta
toda mulher tem a sua beleza.
Até mesmo a que não é
uma Bruna Lombardi
- mais bela por dentro,
ou uma Patrícia Poeta
- mais poema que um nome.
Toda mulher tem a sua beleza
e o homem que a desperta
será para sempre o seu poeta.


(Recife, 30/agosto/2010).

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

ANA ARRAES LEMBRA AS PERSEGUIÇÕES DA DITADURA MILITAR E DO PSDB AO GOVERNO DO SEU PAI

A deputada federal Ana Arraes (PSB-PE) publicou, no site oficial da sua campanha, um texto emocionado e comovente em homenagem ao seu saudoso pai, o eterno governador de Pernambuco ("A Presença de Miguel Arraes"). Com a política no sangue, a deputada Ana Arraes, mãe de outro sangue puro da política pernambucana - o atual governador Eduardo Campos, também candidato à reeleição - evoca o encantamento do seu pai, há 5 anos, quando teve a sensação de que "junto com ele tinha ido embora não apenas um pai, mas tudo o que ele representava para o povo pernambucano". Mas o tempo mostrou que ele se mantém vivo, com a herança das suas lições para a família e a sua marca que não se apaga nos corações e nas mentes da população pernambucana.

Ana Arraes lembra tudo isso em uma bela carta dirigida ao seu pai ("como se fosse possível voltar a sentar na rede do terraço da sua casa"). Na carta que dirige ao seu pai, com feminina e respeitosa ternura, eleva a sua voz para lembrar e denunciar as manobras sujas contra o seu terceiro governo e a "perseguição que lhe foi impingida pelos detentores do poder federal, apoiados pelos nossos adversários locais." (Trata-se da "já era" Fernando Henrique Cardoso, PSDB & Cia)

Ana Arraes, com lucidez e firmeza, lembra ao pai (e é lembrança que interessa a todo pernambucano) :

"Não posso esquecer da maneira como tais opositores trataram Pernambuco nas três vezes em que foi governador, retendo recursos, cortando qualquer possibilidade de grandes investimentos e montando um discurso em cima de mentiras. Graças à garra que tivemos e à vontade de fazer valer as necessidades do povo, pondo em prática os seus ensinamentos, superamos esse tempo. Trouxemos para cá tudo que você idealizou : estaleiros, refinaria de petróleo, inúmeras fábricas que se instalaram em Suape, um pólo farmacoquimico implantado em Goiana e realizamos a interiorização do desenvolvimento. Basta dizer que hoje temos 22 pólos industriais."



(Do site ANA ARRAES 4040 - Deputada Federal / Notícias
- http://www.anaarraes4040.com.br)

domingo, 22 de agosto de 2010

INFERNO DE AGOSTO

No inverno deste ano
Deus abandonou o Nordeste onde vivo
Abriram-se as portas do Céu do Inferno
O mundo se acabando
Em fogo frio de ventos
Chovendo ainda mais desgraças de agosto :
Cidades inteiras desabaram
Os rios não fecundaram a Vida
Seres humanos desapareceram como animais afogados
E sonhos faleceram na lama das águas
Caldeirão do futuro sem horizonte
- Só o cenário deserto da Terra devastada


No coração ferido do Nordeste
O sangue navega revoltoso implodindo
Ataques sistêmicos enfartes violentos pesadelos da Morte
Na alma do corpo abandonado
Sem poesia e sem Deus.


Juareiz Correya

(Recife, agosto / 2010)


quinta-feira, 19 de agosto de 2010

SOBREVIVENDO NESTE SÉCULO 21 (crônica)

Ao completar os meus 50 anos de idade, em 2001, publiquei em Palmares (PE), minha cidade natal, um livreto de poemas intitulado 50 SETEMBROS - Microantologia poética (Edição do autor, 16 páginas, 300 exemplares), toda a tiragem distribuida gratuitamente entre parentes, amigos e conhecidos. Eu dirigia, nesse tempo, nomeado pelo então prefeito Francisco de Assis Rodrigues, a Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho, da Prefeitura dos Palmares, criada com base em um projeto de minha autoria datado de 1983. Lembro um trecho da nota veiculada na antepenúltima página do livreto :

"Tenho ainda muita poesia e histórias para escrever e publicar e o coração, já abalado por um enfarte, cheio de sonhos imensos."

Saí de Palmares em dezembro de 2004. Contabilizando também os primeiros quatro anos (1984 a 1987) em que exerci a presidência da instituição palmarense, foram doze anos de trabalho e dedicação a um projeto em que eu acreditava e acredito até hoje. Tudo bendito (é uma dádiva todo trabalho realizado com fé) e bem documentado. Está lá, nos arquivos da instituição, provando que a Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho é uma conquista cultural definitiva da região Mata Sul de Pernambuco nestes 26 anos de atividade ininterrupta.

Vivo no Recife, há 5 anos, com a tarefa de reconstruir a minha vida. Não me vanglorio por ainda estar vivo e continuar com forças para escrever e lutar pelos valores culturais pernambucanos e nordestinos (como prova o meu trabalho já realizado). Não produzo mais, embora tenha projetos prontos para isso, porque tenho as minhas limitações de toda desordem (saúde precária, nenhum dinheiro, pouco espaço para trabalhar e continuar dando a minha contribuição, como poeta e editor pernambucano, vendo este mundinho-velho-de-guerra pequeno e cada vez menor...)

Mas eu ainda tenho sorte - com uma pequena ajuda de amigos verdadeiros, como cantavam Lennon&McCartney - e de gente de primeiríssima qualidade que encontrei nos momentos mais difíceis desta primeira década do Século 21 : os amigos Leda Alves, viúva de Hermilo, e o cardiologista Hermilo Borba Neto, que me salvou e cuida do meu coração; a equipe profissionalíssima de médicos, enfermeiros e enfermeiras do Hospital Oswaldo Cruz,sob o comando do diretor Ênio Cantarelli, responsável pelo pronto restabelecimento da minha saúde, quando enfartei em junho/2000; o poeta e jornalista Flávio Chaves, que me convidou para participar da sua equipe na CEPE, onde ingressei em 2007; os que me ajudaram no Recife e em Olinda quando tive a saúde novamente abalada (uma severa pneumonia); o nefrologista Ruy Cavalcanti, que me orienta no tratamento dos meus problemas renais; o urologista Tibério Moreno de Siqueira Junior, que operou milagre em maio deste ano com a retirada do cálculo do meu rim esquerdo e que está empenhado para que eu tenha ainda uma vida normal aceitável; e, agora, de 11 a 16 de agosto, o neurologista Andore Guescel Asano, do Hospital De Ávila (Madalena, Recife), também empenhado, junto com o neuro-cirurgião Marcos Antonio Barbosa da Silva, no tratamento de um ataque isquêmico transitório. (Dr. Andore já me tratou em junho de 2009 e voltou agora a cuidar desse meu problema antes que se torne mais grave e se transforme num irreversível AVC). Já estou bem e em casa.

Por tudo isso me considero um homem de sorte e continuo sobrevivendo neste Século 21. E sonhando meus "sonhos imensos". Com os meus filhos, com uma companheira que caminha ao meu lado, parentes e conhecidos, alguns amigos de verdade que estão sempre presentes - como Leda Alves e a poetisa luso-brasileira Maria de Lourdes Hortas -, com os poetas e artistas que conheço, admiro e aplaudo "apenas com estas duas mãos" que tenho e o sentimento do mundo do meu coração com mais da metade do século da minha vida renascendo no sangue da poesia nossa de cada dia.


(Recife, 17 / agosto / 2010).

domingo, 8 de agosto de 2010

NOVO CORAÇÃO PORTÁTIL





Metade do século do meu coração
Comi e bebi sem medida
Fêmeas carnes etílicos ventos...
Quase me sufoquei com as próprias mãos.
Renascido neste novo milênio
Meu coração me faz ainda mais vivo :
Dias são anos que valem séculos
E ser apenas humano não me limita
(mesmo que os estragos do corpo
me façam mais limitado do que os outros).
Meu coração ainda fala e grita
O sangue das suas palavras
Assim me injeto na corrente do tempo
E inscrevo o instantâneo presente
Em todas as horas dos dias eternos.




Juareiz Correya
Recife, 8 / agosto / 2010.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

O GINÁSIO MUNICIPAL DOS PALMARES NO CORAÇÃO DE UM ESTUDANTE

Conheci o Ginásio Municipal Agamenon Magalhães, de Palmares (PE),em 1959, aos 8 anos de idade, no segundo ano do curso primário; em 1967, aos 16 anos de idade, concluí nessa escola o Curso Ginasial.
Costumo dizer, em encontros com amigos, estudantes e professores, que o Ginásio Municipal dos Palmares foi a única escola da minha vida. Verdade : concluído o ginasial, estudei, no ano seguinte, no então Colégio Costa Azevedo, durante 6 meses, e deixei o Curso Técnico de Contabilidade mal iniciado porque não tinha condições de pagar as mensalidades. O abandono dos números, da ciência contábil, me fez um bem danado : eu já tinha descoberto que as palavras eram mais mágicas do que os números, no último ano do Ginásio Municipal, e mergulhei de corpo e alma no rio da poesia delas em Palmares e logo depois em São Paulo.
Não sou saudosista, não suspiro pelo passado nem me alimento como um ruminante dos seus vidros moidos. Mas eu estou vivo com a minha memória, tenho condição de escrever e sei que nos meus escritos - bem ou mal - "prolongo o tempo do esquecimento", como afirmou Hermilo Borba Filho sobre os seus livros de ficção (quase todos vivenciados em Palmares).
Me lembro do Ginásio Municipal dos Palmares com o meu coração de menino e de adolescente : da professora do primário, Eliete Guerra, dos diretores e professores do curso ginasial - Brivaldo Leão, Laércio Duá Pacheco, Douglas Marques, Amaro Matias, Lúcia, Jarlan, Joab, Maria Francisca, Edson Matos, Elias Sabino, Aristeu Tavares, José da Justa. E me lembro dos estudantes das turmas desse tempo ginasiano, alguns mais próximos outros à distância (como a maioria feminina, que eu era tímido e arredio): Everaldo, Valdir, Paulo de Joaquim Nabuco, Laudenor Berto, Antonio Maromba, os irmãos Juarez, Jarbas e Jorge Veloso, "Bala" Agrelli, Érico, Sóstenes, Antonio Sérgio, Eniel Sabino, a minha irmã Maura, Iolita, Gessy, Vasty, Eva, Eliane, Elienai, Célia, Maria de Xexéu e Hilda (minha primeira namorada, uma inesquecível história à parte).
Me mantive o quanto pude, mesmo sem vida de estudante, bem próximo do Ginásio Municipal dos Palmares. Voltei a ele em alguns escritos (contos inéditos), voltei todos os dias, ainda vivendo com os meus pais e irmãos na Praça da Luz, voltei com a infância e adolescência dos meus filhos José Terra e João Guarani, que iniciaram os seus estudos no Ginásio Municipal (já então rebatizado como "Escola Fernando Augusto Pinto Ribeiro"); e voltei a conviver com ele, durante 12 anos, quando presidi a Fundação Hermilo Borba Filho e realizamos algumas atividades culturais com estudantes palmarenses.

O Ginásio Municipal dos Palmares ressurge para mim, ainda mais vivo, agora que é só escombros, destruído pelas águas revoltas do seu Rio Una na enchente de junho que transformou a cidade em um "pesadelo fluvial".
E este não é tempo de choro nem de vela.
Palmares precisa ser reconstruída com o esforço e o trabalho sem tamanho dos que nela vivem hoje e com a colaboração e solidariedade dos seus filhos e amigos que vivem em outros lugares e podem participar também da sua histórica reconstrução.
Todos os dias renascemos, sabem os que amam a vida. O que Palmares construiu é indestrutível. O Ginásio Municipal dos Palmares (é esta a sua identidade nos corações de todos os seus estudantes) voltará a irradiar a sua luz no dia-a-dia do processo educacional palmarense. E a iluminar o futuro, a "cultura e a grandeza" da Terra dos Poetas. (JUAREIZ CORREYA)

quarta-feira, 28 de julho de 2010

OUTRO VERSÍCULO

"Onde estiver o teu tesouro..."
(MATEUS, Cap. 6, Vers. 21)


Guarda contigo esta certeza :
Onde estiver o teu coração
Estará também a tua riqueza.



(Recife, julho / 2010)

quinta-feira, 22 de julho de 2010

"PALAVRA" DE ESCRITOR

Escrevo, há vários anos, e tenho alguns livros publicados. Minha filha, 4 anos, foi passar férias na casa de uma tia, em Campina Grande (PB) e, à mesa, pediu :
- Tia, me dê um "faco".
A tia, atenta, corrigiu :
- Mariama, a palavra certa é "faca".
Ela respondeu :
- Pensa que eu não sei ? Eu sou filha de escritor...



(do livro inédito PEQUENAS HISTÓRIAS REAIS)

quinta-feira, 15 de julho de 2010

PALMARES - UMA NOVA CIDADE

No mês em que completou 131 anos de emancipação municipal - comemorado no dia 9 de junho deste ano -, a Cidade dos Palmares, principal núcleo urbano da Região Mata Sul de Pernambuco, foi praticamente devorada pela fúria das águas revoltas do seu Rio Una, que, com outros rios, riachos e lagoas da região, tornou-se um mar dantesco e destruidor. Um "pesadelo fluvial", como pensou Hermilo Borba Filho intitular o seu romance MARGEM DAS LEMBRANÇAS. Junto com Palmares, 23 municípios da Região da Mata, 10 do Agreste e 5 do Grande Recife - sentiram a força tsunâmica das águas que inundaram Pernambuco e Alagoas, do dia 18 ao dia 20 do inverno do mês passado, e estão em situação de emergência ou calamidade pública.

Grande parte da área edificada da Cidade dos Palmares foi destruída, e, dessa área, o que restou de pé, está irremediavelmente condenado, como espaço residencial, comercial e até industrial. Palmares não é e não será mais a mesma. Sabem disso, conscientemente responsáveis, os Governos Federal e Estadual, como foi documentado com as presenças solidárias do Presidente Lula e do Governador Eduardo Campos. E com os depoimentos e suas ações urgentes, imediatas, e programadas para o futuro. E caberá ao atual Prefeito - Sr. José Bartolomeu de Almeida Melo, o popular Beto - a responsabilidade maior de reordenar e conduzir todo o imenso trabalho de reconstrução e renascimento da heróica e histórica Palmares.

O Governador Eduardo Campos declarou muito bem : "Não haverá dinheiro público para reconstrução de casas em áreas de risco." O município de Gameleira, também drasticamente atingido pela enchente de junho, já decidiu, exemplarmente, transformar toda a área da cidade que margeia o Rio Sirinhaém em um parque ecológico. É exemplo a ser seguido pelos outros municípios da região e sobretudo por Palmares. As margens do Rio Una - da antiga Usina 13 de Maio até o bairro de Santa Rosa e ponte nova da duplicação da BR-101 - devem se transformar num imenso e aprazível parque ecológico e sítio de reflorestamento da Mata Atlântica.

E, para que a própria Prefeitura dos Palmares dê o seu exemplo - diante da iminente condenação do seu edifício sede -, a administração municipal pode muito bem ser transferida para um espaço que norteará o renascimento e a retomada do desenvolvimento urbano da cidade : instalada no antigo edifício do escritório central da Great Western / Rede Ferroviária do Nordeste, no bairro de Santa Luzia, à entrada da cidade. A ser restaurado e redimensionado para esse fim, o edifício - parte do conjunto do parque ferroviário já preservado pela Prefeitura Municipal dos Palmares - integra um amplo projeto iniciado, em 2003, pela FIDEM/FUNDARPE/GOVERNO DE PERNAMBUCO, com o apoio da Universidade Federal de Pernambuco e do Ministério da Cultura : o Projeto de Preservação do Patrimônio Ferroviário de Pernambuco. A antiga Estação Ferroviária, por exemplo, transformada em Estação Cultural dos Palmares, da Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho, já integra esse projeto estadual desde o ano de 2003.

Uma Nova Palmares, uma Cidade Alta, uma Palmares do Futuro nascerá.


_________________________________

Artigo publicado também no blog ANOTICIA
(http://www.jornaldanoticia.blogspot.com)

quarta-feira, 7 de julho de 2010

RIO UNA (PALMARES)




da janela do hotel
vejo o rio
Una Una negro negro
refletindo verdes
terras canaviais montes


o rio se move
e as águas parecem paradas
passantes ? errantes ?
e o céu não tem
no sol da tarde
o mesmo brilho do seu leito


o rio não passa
não vai a lugar nenhum
o rio fixa-se no corpo da cidade
como um colar
enfeitado pelo seu colo
cobra coleando os limites urbanos
além do tempo
além da vida



Palmares, 12/maio/2002.


_____________________________
Transcrito do blog
POESIA VIVA DA CIDADE
(http://www.jcorreya.blog-se.com.br)

domingo, 27 de junho de 2010

PALMARES VIVE ! VIVA PALMARES !

Reportagens apressadas e imprecisas dos portais UOL ("Cultura pernambucana desaparece sob as águas do Una") e IG ("Cenário desolador na Terra dos Poetas") demonstram desinformação e insensibilidade com o patrimônio cultural de Palmares, região Mata Sul de Pernambuco, conhecida como a Terra dos Poetas. Semi-destruída pela catástrofe das enchentes na Mata Sul do Estado, com grande parte da sua população desalojada e desabrigada, uma perda incalculável de residências, imóveis comerciais e espaços públicos (escolas, hospitais, serviços), além da perda de algumas vidas, a cidade sofreu e está sofrendo com essa parte da sua riqueza destruída. Mas o seu patrimônio cultural edificado - Teatro Cinema Apolo, Estação Cultural dos Palmares, Biblioteca Pública Municipal Fenelon Barreto - está de pé, não ruiu, não "desceu de água abaixo", não foi destruído, como permanece viva e resistindo à fúria da natureza do tempo e da desnaturada insensibilidade humana, a criação dos seus filhos mais notáveis - do poeta Ascenso Ferreira, do dramaturgo e ficcionista Hermilo Borba Filho, do poeta Jayme Griz, do poeta e jornalista Arthur Griz, do pintor Murillo La Greca, do poeta e professor Fenelon Barreto, do poeta Raimundo Alves de Souza, todos eternizados e eternizando Palmares. São muitos os que "se encantaram", e os que permanecem vivos, na terra ou em outras terras, continuam comprometidos com a criação literária e artística que é, legitimamente, fruto de Palmares - o processo imorredouro da criação da sua poesia, do seu conto, da sua crônica, do seu romance, do seu teatro, da sua pintura.
Palmares, terra de cultura e de grandeza, como no seu hino, é a nossa "marca para toda a vida!", bem dizia Hermilo. E, com a força eternizadora da sua cultura, Palmares vive e viverá !



JUAREIZ CORREYA
(juareizcorreya@hotmail.com)

Jornal para divulgação de blogs literários e jornalísticos que publico e admiro

Neste blog divulgarei textos publicados dos meus livros e blogs e textos inéditos de livros organizados ou em fase de organização. E divulgarei blogs literários e jornalísticos que admiro, além de mantê-los linkados para o acesso permanente dos leitores deste blog. Aqui o amigo internauta vai encontrar textos dos meus livros publicados AMERICANTO AMAR AMÉRICA E OUTROS POEMAS DO SÉCULO 20, CORAÇÃO PORTÁTIL, das antologias POESIA VIVA DO RECIFE, POETAS DOS PALMARES, EM NOME DA AMÉRICA (inédita) e POESIA VIVA DE SÃO PAULO (inédita). E textos dos meus blogs LETRAS&LEITURAS (http://letras-leituras.blogspot.com), CASA DA POESIA (http://juareizcorreya.blogspot.com), POESIA VIVA DA CIDADE (http://www.jcorreya.blog-se.com.br, PANAMÉRICA (http://jcorreya.blogspot.com) e PALAVRA DE HERMILO (http://blig.ig.com.br/jcorreya).

No dia-a-dia que viveremos, textos inéditos avulsos, jornalísticos e literários, serão postados neste blog-jornal de um poeta e editor pernambucano que não pode negar aos homens do seu tempo a sua palavra - a humanidade da sua poesia e da sua prosa.