sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

2016 : UM ANO NOVO SEMPRE NOS RENOVA







     Penso que é assim e tenho vivido com esse sentimento cada vez mais legitimado. Digo mesmo, aos que me conhecem, que tenho a sorte de abrir os olhos e ver sempre horizontes. Todos os dias. Os meses não são diferentes. Os anos confirmam tudo. E os séculos - que este Século 21 já me faz um sobrevivente do Século 20 - me dão uma senhora certeza de que estes 64 anos de vivência e sobrevivência estão valendo muito. Não esqueço também que já habitamos a Terra há dois milênios e que estamos vivendo o futuro nascido no Terceiro Milênio.  

    Agora, como diria o cronista Rubem Braga, arrumando gavetas, revendo agendas, constatando realizações e frustrações, é de novo a hora de  anotar novas idéias e projetos, refazer e redimensionar alguns sonhos, deixar no caminho o que ficou no caminho, esquecer o que não pôde ser vivido,  para seguir em frente a cada despertar. 

    Tenho, para este novo 2016, mais projetos do que Sudene  e todos os Governos.  Sonho de olhos abertos. Vamos em frente. Sei que ainda há muito o que posso fazer e o coração  vive pronto aberto  para o sentimento do mundo. Nas mãos, carrego a dor e a alegria da Poesia - a palavra mais humana da existência. 


(JUAREIZ CORREYA /
 Primeiro dia do 16o. ano do Século 21)