domingo, 22 de agosto de 2010

INFERNO DE AGOSTO

No inverno deste ano
Deus abandonou o Nordeste onde vivo
Abriram-se as portas do Céu do Inferno
O mundo se acabando
Em fogo frio de ventos
Chovendo ainda mais desgraças de agosto :
Cidades inteiras desabaram
Os rios não fecundaram a Vida
Seres humanos desapareceram como animais afogados
E sonhos faleceram na lama das águas
Caldeirão do futuro sem horizonte
- Só o cenário deserto da Terra devastada


No coração ferido do Nordeste
O sangue navega revoltoso implodindo
Ataques sistêmicos enfartes violentos pesadelos da Morte
Na alma do corpo abandonado
Sem poesia e sem Deus.


Juareiz Correya

(Recife, agosto / 2010)


Nenhum comentário:

Postar um comentário