quarta-feira, 7 de julho de 2010

RIO UNA (PALMARES)




da janela do hotel
vejo o rio
Una Una negro negro
refletindo verdes
terras canaviais montes


o rio se move
e as águas parecem paradas
passantes ? errantes ?
e o céu não tem
no sol da tarde
o mesmo brilho do seu leito


o rio não passa
não vai a lugar nenhum
o rio fixa-se no corpo da cidade
como um colar
enfeitado pelo seu colo
cobra coleando os limites urbanos
além do tempo
além da vida



Palmares, 12/maio/2002.


_____________________________
Transcrito do blog
POESIA VIVA DA CIDADE
(http://www.jcorreya.blog-se.com.br)

Nenhum comentário:

Postar um comentário