sábado, 6 de fevereiro de 2016

PEQUENAS HISTÓRIAS REAIS : "LENDAS DE CASA"






     Duas lendas dão origem às famílias da minha mãe (Barbosa) e do meu pai (Correia).  Sobre a família da minha mãe, ela mesma contava :

     Em terras de Pernambuco, Dinda, a minha trisavó, mãe da avó da minha mãe, era uma índia que tinha sido encontrada, recém-nascida, no meio do mato, por um cachorro, e tinha sido levada, presa nos dentes do animal, para a casa do meu tetravô. Dinda cresceu ali no sítio, como filha da casa, casou e gerou a mãe de Mãe Lica, minha avó (lembro o seu tipo indígena puro), que casou e gerou, entre outras filhas e filhos, Mãe Carminha, a minha mãe.  

     Da parte da família do meu pai, não foi ele, quem me contou a história, mas a sua irmã, tia Antonia, que ainda hoje vive em Porto Calvo (AL), onde nasceram.  Segundo tia Antonia, no interior de Alagoas - na região de Porto Calvo mesmo - chegou um pirata português, bem e mal visto pelas pessoas do lugar, e foi ficando, e engraçou-se de uma moça, se envolveu com ela, depois ele viajou e ela ficou na cidade já "em estado interessante" (sinônimo nordestino de mulher grávida...)  O pirata português sumiu, não deu mais notícia por uns seis anos - tempo em que foi devidamente amaldiçoado pela família da moça - e, certo dia, reapareceu nesse lugar.  Parece que já era comerciante.  Procurou a moça que deixara há seis anos e soube do filho dela.  Um filho que ela dizia ser seu.  Ele não teve dúvida : pediu para ver o menino e se pôs a examinar os seus pés, até verificar que um artelho-mindinho tinha a unha rachada.

     - É meu filho mesmo, concluiiu.  E casou com a mulher, a minha trisavó alagoana.

     Meu pai, ao ouvir tia Antonia contar essa história, não gostou.  Mas não tinha como contestar.  Tia Antonia dizia logo, desafiadora :

     - Mostre os pés, Biu, e a sua unha rachada...  

     Também eu tenho a unha do artelho-mindinho, do pé direito, rachada.  



___________________________________________________
Do livro inédito PEQUENAS HISTÓRIAS REAIS 

Nenhum comentário:

Postar um comentário